30 junho 2010

O que vejo por aí...

Melhor significado que alguém já deu para a Vuvuzela!!! Postado no facebook de um amigo!



Dá sim, tudo dá!

Fortaleça seus sonhos, não importa o quão distante eles lhe pareçam,  é preciso regá-los com o adubo dos valentes, daqueles que não temem o dia chuvoso, nem raios, nem trovões.
Diante dos que querem vencer, só há uma visão: seus sonhos realizados.
Hoje é um dia excelente para limpar as ervas daninhas de sua vida.
Não insista em dizer que "não dá mais.”
Dá sim, tudo dá!
É questão de persistência, de coragem, muita valentia e fé.
A esperança nunca pode enfraquecer.
Ela é a vitalidade do coração e da alma.
Vá em frente, faça o que puder, então você descobrirá o tamanho da sua força. Não duvide nunca.
Deus esta aguardando sua iniciativa.
Faça, lute e vença.
Quando na minha vida, se faz necessário superar tristezas,eu olho para cima e agradeço a Deus.
Depois olho para dentro de mim, e revejo os meus próprios valores.
Recordo as minhas conquistas, E esqueço as minhas dores.
Lembro que possuímos uma força interior, que nos dá um poder extraordinário de superar tristezas, de curar feridas.
Esta força nos obriga a:
Recuperar-nos dos choques da vida,
Renascermos sempre, Erguermo-nos, Ultrapassarmos, nos elevar e Amar incondicionalmente.
Sempre teremos a chance de conquistar nossos verdadeiros anseios.
Somos privilegiados, podemos ver a luz!
Essa luz que vem de Deus, e ilumina a nossa Vida.
Conduzida pela Fé ela sempre estará do nosso lado em forma de ESPERANÇA!


Lembra-te.........

“Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão” :)

Uffffff Voltei!!!

Tentei resistir ao apelo para a escrita. Foi complicado...... Concentrei ao máximo no trabalho. É certo que escrever é bom, porque me alivia o peso da alma e do coração … mas, por vezes também cansa! Já que jornalistas não fazem outra coisa a não ser buscar informações e coloca-las em letras.
Os sentimentos são os mesmos, as vontades são as de sempre, as alegrias ou as tristezas repetem-se.
Mas as palavras.........ahhh essas, têm muitas vezes, um sabor diferente…

Boa semana a todos!!








25 junho 2010

Serra Presidente e Álvaro Dias vice é uma composição de excelência!

Embora o PSDB não tenha ainda confirmado é praticamente certo que o Senador Álvaro Dias será o candidato a vice-presidente da República na chapa de José Serra. Na minha opinião a escolha está absolutamente certa. Álvaro Dias é um dos senadores mais atuantes não só como líder da oposição, mas em termos nacionais. Diria que é incansável na sua faina diária e seu nome tem alcance nacional. É combativo, tem posições firmes em favor do Estado de Direito democrático, sem cometer exageros e agressões gratuítas. Além dessas qualidades inegáveis que Dias agrega a José Serra, essa composição tucana abre um poderoso palanque para a oposição num dos maiores colégios eleitorais do Brasil que é o pujante Estado do Paraná. Isto também tem efeitos sobre toda a região Sul. E, se for para comparar a qualidade e a capilaridade nacional de Álvaro Dias, não há termos de comparação com o Sr. Michel Temer, o neo-petralha que mancomunado como Lula tenta se meter onde não é chamado, promovendo uma truculenta intromissão na política catarinese. Temer é por isso mesmo um peso morto, todo sujo pela lama petralha.
Se o colunismo pena alugada e comedor de caraminguás de Lula e seus sequazes cair de pau na escolha de Álvaro Dias estará consagrando a decisão. É sinal que é um nome forte. O único candidato a vice que tem incontestável destaque no cenário político brasileiro.

Postado por Aluizio Amorim

23 junho 2010

Profissional em Foco

Etiqueta Virtual - Redes Sociais como aliadas


Por Claudia Monari 

A presença das redes sociais no dia a dia das pessoas já é uma realidade. Isso traz mais agilidade na busca de novas informações, além de uma infinidade de vantagens na comunicação e interação entre profissionais de toda parte do mundo e de diferentes segmentos. Mas não é só isso, da mesma forma com que elas podem ser grandes aliadas, podem também ser vilãs no ambiente corporativo.
Temer o segundo caso e dar adeus às redes sociais seria um erro. A solução está longe de ser fugir delas ou temê-las, o melhor a fazer é aprender a usá-las a seu favor, de seu trabalho e de sua carreira.

1- Cuidado com o que escreve. A internet te expõe e qualquer coisa que você colocar pode criar uma falsa impressão a seu respeito. Lembre-se: na internet tudo é uma questão de interpretação.

2- Atente-se na publicação de fotos. Pense bem antes de publicar uma foto e cuide da privacidade deste conteúdo.

3- Não misture sua rede de amigos "da balada" com contatos profissionais, tente usar redes sociais distintas para fins específicos.

4- Cuidado com os grupos dos quais participa, eles dizem muito a respeito de seus valores.

5- O foco do trabalho é seu resultado. Cuidado com tempo demasiado utilizando as redes sociais, elas podem tirar sua atenção e diminuir sua produtividade.

6- Nunca coloque informações falsas a seu respeito, elas podem ser checadas e ficará muito feio para você caso isso aconteça.

7- Alguns sites têm abrangência e é natural ter pessoas desconhecidas entre seus contatos, mas não são todos. Na medida do possível, classifique como "amigo" apenas pessoas que você realmente conheça.

A internet é uma ferramenta poderosa. Assim como ela pode facilitar o seu trabalho e sua exposição, também pode destruir em segundos a sua imagem. Tudo o que escreve sobre você - seus gostos, interesses- passa um juízo de valor para quem está vendo e, por consequência, a maneira de interpretar de cada um pode ser um julgamento errado.

Claudia Monari, consultora da Career Center - consultoria especializada em gestão estratégica de carreiras e recursos humanos

21 junho 2010

Quem chamou o Bolsa Família de esmola mesmo?

“É uma pena que (…) você tenha deixado de ver o que o Lula falou. Antes de ser presidente, Lula e o PT chamavam o programa de Bolsa Esmola”.

Por Reinaldo Azevedo
É Serra, na sabatina do UOL, respondendo a uma questão sobre críticas ao Bolsa Família. Está se referindo a um fato, conforme revela o vídeo abaixo, já publicado aqui outras vezes. Nele, vê-se o Lula de 2009 a defender o Bolsa Família de críticas que ninguém faz e o mesmo Lula, em 2000, acusando o assistencialismo e a esmola.

QUEM CHAMOU BOLSA FAMÍLIA DE ESMOLA MESMO?

18 junho 2010

O leitor deixará de sorrir...


Quando o escritor português José Saramago começou a escrever "Ensaio sobre a Cegueira", um de seus livros mais conhecidos, perguntou a si mesmo o que aconteceria com o mundo se todas as pessoas passassem a ser cegas....
Coincidentemente acabei de ler o livro a pouco tempo e fiquei encantada com a literatura de Saramago e assustada com a dúvida que o autor nos coloca indiretamente: É assim que os homens verdadeiramente são? É preciso cegarem-se todos para que enxerguemos a essência de cada um?
Com seu jeito único de escrever, a morte desse grande escritor é recebida com muita tristeza, particularmente pelos que têm apreço pela língua portuguesa, como eu, e por sua importância cultural em tantos continentes.
Saramago mantinha relações privilegiadas com o Brasil. Esteve presente em diversos eventos literários no país e se tornou muito popular antes mesmo de conquistar o Prêmio Nobel. Em romances como “O Ano da Morte de Ricardo Reis”, o Brasil faz parte das reflexões do grande escritor.
No meu entender, a mais importante homenagem a Saramago é a de tentar transmitir às novas gerações o “gênio literário” que foi o escritor.

"Percebi que todos os meus livros, sem exceção, partem do improvável, do impossível. No final, descobrimos que a única condição para a vida existir é a morte", - José Saramago

17 junho 2010

Hj é meu niver, mas o presente é pra vc!!!

Adorei a surpresa amor!!! E para retribuir te dedico a mesma música...
É, só tinha que ser com você...Havia de ser prá você...

The Bobs com bobs


O Blogs do Além http://blogsdoalem.com.br/ celebra com um anúncio o prêmio recebido do The Bobs – The Best of Blogs, maior concurso mundial de weblogs, podcasts e videoblogs, promovido pela Deutsche Welle, da Alemanha. Em tom bem humorado, a peça traz o escritor Machado de Assis usando bobs, como se estivesse se preparando para ir a uma festa. Mas, na verdade quem está prestes a embarcar para a cerimônia de premiação, no dia 21 de junho, em Bonn (Alemanha), é o vice-presidente de Criação da Energy Vitor Knijnik. Ele criou o site premiado. Desde 2008, mais de 80 personagens do além já “publicaram” opiniões na internet – de Aristóteles a Coco Chanel, passando por Tim Maia, James Dean e Richard Nixon.

16 junho 2010

Xixi no banho????


Isso mesmo!!! Se você nunca fez xixi no banho, comece a considerar essa possibilidade. O anúncio feito para a Fundação SOS Mata Atlântica tem como sua chamada principal e bem objetiva o desconsertante "xixi no banho". A criação é de Eduardo Lima e João Linneu, da agência F/Nazca S&S. Pode parecer engraçado, mas o incentivo às pessoas começarem a fazer seu xixi no banho tem como intuito a economia de 4.380 mil litros de água por ano. Segundo o anúncio, economizar uma descarga por dia significa a economia de 12 litros de água. Se uma considerável porcentagem de pessoas adquirissem esse hábito, muita água seria poupada.
O anúncio está publicado no site http://www.xixinobanho.org.br/, seguindo um design bem descontraído, interagindo com o internauta.
A idéia é boa, basta divulgá-la! Faça seu xixi no banho!

11 junho 2010

When Love Takes Over #fui

What the f*#@"k is CALA BOCA GALVÃO

Começa mais uma Copa do Mundo....  O maior congraçamento de um esporte neste planeta, que a cada 4 anos pára na frente da TV para vibrar, chorar, ou apenas assistir boas partidas. Entre o gigantesco espetáculo musical apresentado em Soweto para milhares de africanos do sul e o apito do juiz dando início a México x Bafana Bafana, ter visto a Shakira ou Will Im do Black Eyed Peas, masssssss as redes sociais bombaram outro tipo de liderança brasileira.
Desta vez não somos mais apenas o país do futebol; já somos os segundos do mundo no ranking de consumo verde divulgado pela National Geographic Society e chegamos ao topo dos Trendings Topics do Twitter mundial com a "tag" #CalaBocaGalvao.
Conseguimos exportar mais uma maravilha tipicamente brazuca, assim como travestis e o Fórum Social Mundial. O mundo nem conhece o chateador de plantão das Copas da rede Globo, mas já o odeia.
"What the f"#@k is CALA BOCA GALVÃO" foi a pergunta mais light feita por internautas de todo o planeta através do twitter durante as 3 intermináveis horas de duração da cerimônia de abertura da South Africa 2010.
Pior para o resto do mundo é que isso vai crescer e a promessa é de manter o narrador de TV nos "TTs" até o fim da Copa. Não é difícil conseguir, afinal os brasileiros plugados já estão com a paciência "no limite extremo" para com o ilustre radialista.
O mundo plugado é assim mesmo. As redes sociais liquidaram de vez com o monopólio e controle das informações que as grandes corporações de mídia ocuparam até agora. Por isso, aliadas a governantes apavorados com o poder da liberdade, querem a todo custo exercer censura sobre a internet, como já fazem China e Cuba.
Seria uma pena, pois não conseguiríamos mais exportar nosso bom humor além das fronteiras, como fez a publicitária Carolina Kuhn com o viral "Porto Alegre É Demais",conseguindo mais de 100 mil visualisações e divulgando o jingle de um supermercado local para todo o Brasil, de forma muito mais intensa que duas décadas de exibição maciça nas rádios e TVs locais jamais conseguiram.

#CALA A BOCA GALVÃO Seca-Pimenteira e que enche o saco dos telespectadores

05 junho 2010

Dia do Meio Ambiente: Curitiba, a cidade mais verde do mundo é brasileira!



Estar em Curitiba me faz pensar que todo o resto do país e do mundo, deveriam seguir o exemplo de modelo de desenvolvimento de ações sustentáveis aplicadas por aqui! É admirável os projetos e investimentos dedicados a preservação ambiental e pesquisas para o uso de energias renováveis. O maior exemplo é o Projeto Biocidade,  inédito no país, que recebeu o prêmio Globe Sustainable City Award, edição 2010, promovido pela Globe Award, instituição sem fins lucrativos que promove e premia ações de sustentabilidade ao redor do mundo. Curitiba foi escolhida por sua excelência no desenvolvimento urbano sustentável, onde preserva a biodiversidade urbana em todas as suas ações e projetos.
Dificíl destacar um deles, mas a Linha Verde, que faz parte do Projeto Biocidade, a maior intervenção urbana nos últimos 20 anos, inclui ônibus movidos a biocombustível, única cidade no mundo a adotar isso. O programa se desdobra para áreas da gestão municipal como habitação, transporte e educação, potencializando o viés ambiental de outros projetos municipais de desenvolvimento e urbanização. O Programa Biocidade também foi concebido para promover o conhecimento e a reintrodução da flora nativa regional nos espaços públicos e privados da cidade. Seu principal foco é a pesquisa de espécies brasileiras com potencial ornamental, para posterior produção e uso no paisagismo urbano e no enriquecimento da biodiversdade de bosques, parques e áreas verdes. O programa conta com parcerias de instituições de pesquisas, universidades e ONGs; e é a segunda cidade brasileira a ter lei para criação de Reservas Particulares do Patrimônio Natural Municipal (RPPNMs). A lei permite que proprietários de terrenos com 70% ou mais de mata nativa relevante à biodiversidade solicitem à Secretaria Municipal do Meio Ambiente a transformação da área em RPPNM.
CWB também tem a única Universidade Livre do Meio Ambiente - UNILIVRE - uma Organização Não-Governamental pioneira na inclusão dos vários segmentos da sociedade na discussão sobre o meio ambiente, que desenvolve e executa projetos sócio-ambientais e programas de capacitação para diversos segmentos: escolas, empresas, órgãos públicos, sindicatos e demais entidades do terceiro setor, e onde encontram-se os maiores especialistas em Direito Ambiental. 
Curitiba também se dedica e investe em programas e estudos para energias renovavéis, como a geração de energia elétrica através da biomassa. 
Me dedico e escrevo uma revista voltada a este tema e acredito que essas ações deveriam ser mais divulgadas! Pouca gente sabe sobre o potencial que Curitiba tem como exemplo e os órgãos municipais e estaduais deveriam repensar a sua divulgação, tão importante para o Brasil e o Mundo!! 
Já pensei sobre isso e a única resposta que me veio em pensamento foi a seguinte: Como eu, que penso trocar Sampa por Curitiba, haverá um booomm habitacional !!


03 junho 2010

Simpática como uma curitibana!!!!

Ontem estive com a minha queridíssima e simpática Ana aqui em Curitiba e levei um puxão de orelha pela minha falta de assiduidade aqui neste espaço.... Então vamos as histórias de CWB! Hoje o clima está como o curitibano autêntico gosta: frio, chuvinha, noite gelada!!

"Antes que me esqueça"
José Carlos Fernandes

Soube que a artista plástica Claire Kessner-Bradner traça “mapas afetivos” com os endereços que marcaram sua vida. A proposta é muito simples: ela cata o guia das ruas de sua cidade, São Francisco, na Ca­­li­­fórnia, e finca ali plaquinhas, nas quais explica, de próprio pu­­nho, o que lhe aconteceu nas alamedas x ou y. Nada de mais: as mar­­cações variam do lugar em que teve um beijo roubado à calçada onde levou um tombo de skate. O efeito é instantâneo. Diante do mapa íntimo da artista outras pessoas se sentem estimuladas a fazer o mesmo. Pelo que se sabe, a brincadeira está gerando uma espécie de “movimento planetário em prol da cartografia sentimental”, o que é bem-vindo nesse momento em que as metrópoles estão cada vez mais parecidas a Gotham City.
Acho difícil encontrar um morador da zona urbana que não tenha sofrido algum atentado à memória. Um belo dia a gente passa e o armazém do seu Edevar ou a casa da dona Nerinha não estão mais lá. Pior que isso – não tarda e acabamos esquecendo como era a dita rua da nossa infância, onde transitávamos de Conga e sem os dentes da frente.

Essa preocupação me assaltou pela primeira vez no dia exato em que minha rua ganhou uma mão de piche. Foi há um bom par de anos. E se agravou ao ler A terceira onda e O choque do futuro, ambos do jornalista Alvin Toffler. Ele tratava da arquitetura desmontável praticada nos Estados Unidos e da impossibilidade cada vez maior de alguém rever a escola ou uma praça da meninice. Tanto fascínio pelo novo tinha um preço – alertava.
Toffler é hoje um nome tão fora de moda quanto a touca bóbis. De futurista arrojado acabou relegado à categoria dos chatonildos avessos à alta tecnologia. Mas cá entre nós, ainda gosto do velho Alvin. Nele me escoro para sobreviver à fúria dos twitters que, em nome da velocidade, roubam nosso tempo.
Há quem julgue essa conversa uma ladainha de gagás. Ao provocá-la, costumo escutar que qualquer saudosismo não passa de tolice. Que “é relativo”, pois o “mapa afetivo” de quem agora está na flor dos 15 anos vai incluir prédios fumês e pracinhas do Batel divididas ao meio. É a regra: uma hora, todo mundo fica na saudade. O próprio Toffler entendeu que a nostalgia é um sentimento ralo demais para ditar as regras do mundo. Suspeito que por causa disso afirmou que as cidades só permanecem a pino num único ponto: nas nossas lembranças, esse vasto “museu imaginário”, conforme expressão cunhada por André Malraux.
Tenho para mim que essa prosa toda ajudou a desenvolver o conceito de “cidade imaginária”, um lugar empoeirado e impreciso, mas resistente à tirania das betoneiras e dos bate-estacas. Nas lembranças ainda é possível que as metrópoles sejam como ni­­nhos. Como fala a filósofa Olgária Mattos, “uma rua é um lugar em que uma guerra eclodiu e onde um amor acabou”. É o que os mapas afetivos de Claire e sua turma estão nos forçando a lembrar.
Anos atrás, um membro da família Geronasso, do bairro Boa Vista, me contou da paixão proibida entre o agregado Jovino do Rosário – cujo nome batiza uma das vias rápidas da região – e Angelina, filha do patriarca Lu­­dovico. A história tinha tal colorido que até hoje não passo por ali sem imaginar a bela montada num cavalo branco, como me foi descrito, trocando olhares furtivos com o pobre do amado. Me­­recia uma placa no sinaleiro: “Aqui Jovino roubou um beijo”. Seria inspirador, particularmente em dias de engarrafamento.
A memória, creio, pode ser um mecanismo mágico e subversivo. Fiz a experiência ontem: a Ana me perguntou há quanto tempo eu morava na redondeza. Respondi que desde a época em que a Rua Ângelo Sampaio tinha paralelepípedos. Rimos feito bobos. Sem querer, dei àquela mulher a chave dos segredos: ela sabe que habito, de fato, a um palmo do asfalto.

A história de Zaqueu....muito linda!!!

01 junho 2010

A tão falada Meritocracia....


Virou moda. Agora, toda vez que alguém do governo, de qualquer poder, fale sobre avaliar os funcionários, os sindicalistas de plantão berram "é meritocracia". Como se o próprio salário merecido fosse crime.

Depois da presidente do CPERGS, Rejane Dutra, bradar contra o "Enem" dos professores proposto pelo INEP, foi a vez do presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, Roberto Leão, manifestar "preocupação com a possibilidade de a prova se transformar em instrumento de avaliação e mérito, levando a um ranqueamento de bons ou maus professores".
Mas ora bolas, como é então que devemos avaliar professores? Principalmente os de escolas públicas, que são pagos através dos nossos impostos? Atualmente, o sistema é perverso: a avaliação se dá através aprovação dos alunos em sala de aula. Ou seja, se existe qualquer dificuldade com determinado mestre, o problema só vai ser solucionado (ou não) depois que o estrago está feito.
Numa pequena busca na internet, achamos o que é Meritocracia: "Meritocracia (do latim mereo, merecer, obter) é a forma de governo baseado no mérito. As posições hierárquicas são conquistadas, em tese, com base no merecimento, e há uma predominância de valores associados à educação e à competência."
A meritocracia está associada, por exemplo, ao estado burocrático, sendo a forma pela qual os funcionários estatais são selecionados para seus postos de acordo com sua capacidade (através de concursos, por exemplo). Ou ainda – associação mais comum – aos exames de ingresso ou avaliação nas escolas, nos quais não há discriminação entre os alunos quanto ao conteúdo das perguntas ou temas propostos. Assim, meritocracia também indica posições ou colocações conseguidas por mérito pessoal.
A palavra meritocracia provavelmente apareceu pela primeira vez no livro "Rise of the Meritocracy", de Michael Young (1958). No livro carregava ela um conteúdo negativo, pois a história tratava de uma sociedade futura na qual a posição social de uma pessoa era determinada pelo QI e esforço. Young utilizou a palavra mérito num sentido pejorativo, diferente do comum ou daquele usado pelos defensores da meritocracia. Para estes, mérito significa aproximadamente habilidade, inteligência e esforço. Uma crítica comumente feita à meritocracia é a ausência de uma medida específica desses valores, e a arbitrariedade de sua escolha.
Claro que, no Brasil, os interessados de plantão só usam o sentido pejorativo negativo da Meritocracia, escondendo que ela é um sistema muito mais justo, por exemplo, do que a obtenção de FGs ou CCs por apadrinhamento político.
Quem não gosta de ser avaliado ou criticado tem sérios problemas de auto-estima ou competência. No caso, nada mais justo para a sociedade como um todo que os professores tenham de mostrar se realmente sabem ensinar, se a matéria que lecionam está "na ponta da língua" e se esses conhecimentos estão sendo colocados em prática na educação de nossos filhos.